REVISTA FACTO
...
Mai-Ago 2022 • ANO XVI • ISSN 2623-1177
2022
70 69 68
2021
67 66 65
2020
64 63 62
2019
61 60 59
2018
58 57 56 55
2017
54 53 52 51
2016
50 49 48 47
2015
46 45 44 43
2014
42 41 40 39
2013
38 37 36 35
2012
34 33 32
2011
31 30 29 28
2010
27 26 25 24 23
2009
22 21 20 19 18 17
2008
16 15 14 13 12 11
2007
10 9 8 7 6 5
2006
4 3 2 1 217 216 215 214
2005
213 212 211
//Abifina em Ação

Registro prioritário de IFA nacional é pauta urgente

Uma medida legislativa simples, mas de alto impacto para a indústria farmacêutica nacional, está parada no Congresso e a ABIFINA vem cobrando seu andamento. Trata-se do Projeto de Lei (PL) nº 4.209/2019, que determina que os medicamentos com insumo farmacêutico ativo (IFA) fabricado no Brasil tenham prioridade nas filas de registro e pós-registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Com isso, espera-se que as farmacêuticas possam dar preferência para produtos das farmoquímicas nacionais no lugar dos importados, reduzindo a dependência externa.

O PL está parado desde novembro de 2021, quando teve parecer favorável do relator, deputado Pedro Lupion (DEM-PR). Porém, até o momento, não foi pautado para votação na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara. Em maio e julho deste ano, a ABIFINA enviou ofícios ao presidente da CCJC, Arthur Oliveira Maia (União Brasil-BA), pedindo que o projeto entre em pauta com urgência.

Além de versar sobre a prioridade de registro, o PL inclui emenda segundo a qual a certificação administrativa e de qualidade do IFA (DIFA/CADIFA) poderá ocorrer de forma independente do registro sanitário dos medicamentos – o que reforça a RDC nº 359/2020, da Anvisa. O PL prevê ainda a instituição de margem de preferência em licitações públicas para medicamentos estratégicos produzidos com IFA nacional.

A motivação do projeto foi um estudo feito pela Fiocruz entre 2011 e 2013, que constatou a larga dependência externa de IFAs para produção dos medicamentos consumidos no Brasil. Hoje mais de 90% desses produtos são feitos com insumos importados. O tema ganhou força após a pandemia, que evidenciou a fragilidade do País. O abastecimento interno com IFAs nacionais ajudará o Brasil a mudar esse quadro.

ABIFINA reforça participação na Frente Parlamentar da Química
Anterior

ABIFINA reforça participação na Frente Parlamentar da Química

Próxima

FCC S.A.: soluções sustentáveis para um mundo em transformação

FCC S.A.: soluções sustentáveis para um mundo em transformação