REVISTA FACTO
...
Jan-Abr 2022 • ANO XVI • ISSN 2623-1177
2022
70 69 68
2021
67 66 65
2020
64 63 62
2019
61 60 59
2018
58 57 56 55
2017
54 53 52 51
2016
50 49 48 47
2015
46 45 44 43
2014
42 41 40 39
2013
38 37 36 35
2012
34 33 32
2011
31 30 29 28
2010
27 26 25 24 23
2009
22 21 20 19 18 17
2008
16 15 14 13 12 11
2007
10 9 8 7 6 5
2006
4 3 2 1 217 216 215 214
2005
213 212 211
//Artigo

Saúde única e o enfrentamento às enfermidades zoonóticas

Em tempos de pandemia causada pelo novo coronavírus, o SARS-CoV-2, agente causador da covid-19, se torna fundamental e imprescindível fazermos uma reflexão sobre a implantação efetiva das ações em Saúde Única (One Health) pelos governantes e, em especial, pelos profissionais de saúde, bem como sobre a importância da preservação, da caracterização e da utilização de microrganismos para a Medicina Humana e para a Medicina Veterinária. 

A possibilidade de se analisar e comparar o material genético dessa nova cepa de coronavírus circulante em vários continentes com aquelas cepas já isoladas e caracterizadas em surtos epidêmicos anteriores, que se encontram preservadas nas coleções de microrganismos dos centros de pesquisa dos diversos países, é o que faz com que os pesquisadores possam detectar as variações genéticas e possíveis mutações ocorridas e, assim, desenvolver imunobiológicos e protocolos específicos para seu controle e tratamento e para a profilaxia ideal para cada agente identificado.

Segundo historiadores, no século XIX, o médico patologista alemão Rudolf Virchow (1821-1902) já afirmava que “não havia divisórias entre animais e medicina humana; e que nem deveria haver”. Ele foi o responsável por cunhar o termo zoonose. Em 1984, com o lançamento da obra Veterinary Medicine and Human Health, o médico-veterinário norte-americano Calvin W. Schwabe (1927-2006) discutiu e reforçou a importância da junção entre saúde humana, animal e ambiente. No livro, ele adota a expressão One Medicine e passa a defender esse conceito, que pouco mais tarde passaria a ser mais conhecido como One Health (1). 

O conceito de Saúde Única foi proposto em 2008 por organizações internacionais, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) e a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO). A Saúde Única representa uma visão integrada, que considera a indissociabilidade entre saúde humana, saúde animal e saúde ambiental. Naquela ocasião, foi lançada a iniciativa intitulada “Um Mundo, Uma Saúde”. Assim, o termo One Health, traduzido como Saúde Única, reconhece que existe um vínculo muito estreito entre o ambiente, as doenças em animais e a saúde humana. E também define políticas, legislação, pesquisa e implementação de programas, em que múltiplos setores se comunicam e trabalham em conjunto nas ações para a diminuição de riscos e manutenção da Saúde (2).

Segundo a OIE, cerca de 60% das doenças humanas têm em seu ciclo a participação de animais, portanto, são zoonóticas, assim como 75% das doenças emergentes e reemergentes (3,4).

Conforme relatado e discutido por Gibbs (5), a Medicina Veterinária, pela inserção transversal no contexto da segurança alimentar, integridade dos ecossistemas, ocupação humana, biodiversidade e vínculo humano/animal, tem discutido o tema One Health mundialmente, reforçando a necessidade de colaboração entre profissionais de diferentes áreas para a construção de políticas de combate a grandes crises mundiais associadas a doenças zoonóticas emergentes, segurança alimentar e mudanças de ecossistemas que podem levar a pandemias ou mortalidade (humana ou animal).

Além disso, conforme observado por Nguyen-Viet et al. (6), o uso massivo de antimicrobianos para o tratamento de infecções (no homem e nos animais) e o aumento concomitante da resistência antimicrobiana são reconhecidos como um problema global emergente, que afeta a saúde humana e animal e impõe encargos sociais, econômicos e prejuízos ambientais, estes últimos ainda pouco ou não mensurados.

Para a implantação e a execução das ações compreendidas no conceito de Saúde Única, é fundamental ressaltar a importância da preservação dos Recursos Genéticos Microbianos, e a sua interface com a agropecuária (atividades agrícolas, pecuárias, florestais e agroindustriais), e com o meio ambiente.

As zoonoses podem ser bacterianas, virais ou parasitárias, ou podem estar relacionadas a agentes não convencionais. Além de serem um problema de saúde pública, muitas das grandes doenças zoonóticas impedem a produção eficiente de alimentos de origem animal e criam obstáculos ao comércio internacional de produtos de origem animal (7). 

Algumas zoonoses, dependendo de vários fatores ambientais, sociais e econômicos, bem como da natureza do agente causal, podem desencadear epidemias e pandemias em várias partes do mundo, como vem sendo noticiadas há vários séculos. Algumas, inclusive, podem ressurgir de tempos em tempos, quando não existirem vacinas ou remédios eficazes para o seu controle e/ou cura.

Enfermidade

Agente causal

Transmissão e Letalidade

Peste Bubônica

Yersinia pestis

(bactéria)

Transmitida ao ser humano por meio das pulgas dos ratos e outros roedores.
Também conhecida como Peste Negra, é uma zoonose, sendo considerada a maior epidemia
da história da humanidade.

Tuberculose

Mycobacterium
tuberculosis
(bactéria)

Doença altamente infectocontagiosa de notificação compulsória e investigação obrigatória. É transmitida aos humanos pela ingestão de alimentos de origem animal contaminados ou pelo próprio animal, caracterizando-se, assim, como uma zoonose.

Tifo

Rickettsia prowazekii

(bactéria)

Mais de três milhões de pessoas morreram entre 1918 e 1922 devido a um surto de tifo. Sua origem é similar à Peste Bubônica, sendo caracterizada como uma zoonose, transmitida por piolhos do corpo humano, o Pediculus humanus, e raramente pelo piolho dos cabelos.

Sarampo

Vírus do Sarampo

Presente em todos os continentes do mundo, o sarampo infecta de 20 milhões a 30 milhões de pessoas e mata cerca de 1 milhão anualmente. Ainda que estabelecida nas populações humanas há dezenas de milhares de anos, acredita-se que o vírus tenha se originado na Peste Bovina e chegado ao ser humano, como uma zoonose, pela criação de gado.

Ebola

Gênero Ebolavirus, família Filoviridae,  vírus de RNA

Tem uma taxa de mortalidade de até 90%, e outros mamíferos também são contaminados.
É adquirido por meio do contato com o sangue ou outros fluidos corporais de alguém infectado, seja ser humano ou animal.

Aids / HIV

Vírus HIV (Human Immunodeficiency Virus), família Retroviridae, vírus de RNA

A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida ou aids, tem a sua mais provável origem no Vírus da Imunodeficiência Símia (SIV) presente em chimpanzés, sendo considerada uma zoonose.
No corpo humano, o vírus sofreu mutações e, de pouco em pouco, se espalhou pelo mundo.
É um Lentivírus.

Gripe Suína

Vírus Influenza A,
subtipo H1N1

A pandemia de Gripe A, uma variante de Gripe Suína, teve um surto global em março de 2009, em Veracruz, no México. Sendo uma zoonose, veio a se espalhar pelo mundo, tendo começado pela América do Norte, atingindo pouco tempo depois a Europa e a Oceania.

Enfermidades por coronavírus

Vírus de RNA com envelope

Causam doença respiratória de gravidade variável, do resfriado comum à pneumonia fatal. Descobertos inicialmente em aves domésticas na década de 1930, causam doença respiratória, gastrointestinal, hepática e neurológica nos animais. Apenas sete coronavírus sabidamente causam doença nos humanos, e os que causam infecção respiratória grave são zoonoses.

Covid-19

SARS-CoV-2, novo vírus de RNA com envelope

Os primeiros casos da doença foram ligados a um mercado de animais vivos em Wuhan, na China, sugerindo que o vírus tenha sido inicialmente transmitido de animais – provavelmente de morcegos para pangolins – e deles para os humanos.

  1. MEDICINA VETERINÁRIA MILITAR. Saúde única: a junção da saúde humana, animal e ambiental. 2013. https://medicinaveterinariamilitar.wordpress.com/2013/03/07/saude-unica-a-juncao-da-saude-humana-animal-e-ambiental/
  2. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA. Sala de Imprensa. 3 nov 2016. Eventos marcam o Dia da Saúde Única. http://portal.cfmv.gov.br/noticia/index/id/4983/secao/6
  3. KARESH, W. B. et al. Ecology of zoonoses: natural and unnatural histories. Lancet, v. 380, n. 9857, p. 1936-45, 1 dez 2012. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23200502
  4. MWANGI, W.; DE FIGUEIREDO, P.; CRISCITIELLO, M. F. One Health: Addressing Global Challenges at the Nexus of Human, Animal, and Environmental Health. PLoS Pathog, v. 12, n. 9, p. e1005731, set 2016. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27631500
  5. GIBBS, E. P. J. The evolution of One Health: a decade of progress and challenges for the future. Veterinary Record, v. 174, p. 85-91, 2014.
  6. NGUYEN-VIET, H.; CHOTINUN, S.; SCHELLING, E. et al. Reduction of antimicrobial use and resistance needs sectoral collaborations with a One Health approach: perspectives from Asia. Int J Public Health, v. 62, n. Suppl 1, p. 3-5, fev 2017. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27942743
  7. WHO. Zoonoses. Managing public health risks at the human-Animal-environment interface. World Health Organization. 2020. https://www.who.int/topics/zoonoses/en/
Maíra Halfen T. Liberal
Maíra Halfen T. Liberal
PhD em Microbiologia (University of Surrey, Inglaterra) e pesquisadora no CEPGM/PESAGRO-RIO.
Ourofino Saúde Animal dá mais um passo inovador
Anterior

Ourofino Saúde Animal dá mais um passo inovador

Próxima

A globalização excessiva e os fatores externos que impactam o mercado de Saúde no Brasil

A globalização excessiva e os fatores externos que impactam o mercado de Saúde no Brasil