Destinação adequada das embalagens vazias beneficia tanto o campo quanto a cidade


Principal método de combate às pragas e doenças nas lavouras, os defensivos agrícolas utilizados diariamente produzem como resíduos milhares de embalagens plásticas. Para evitar os riscos de poluição a mananciais, solo e prejuízos à saúde humana, mais de 90% dessas embalagens são devolvidas pelos agricultores e cerca de 92% desse material é reciclado. Por essa iniciativa, o Brasil é referência mundial na destinação final correta de embalagens fitossanitárias, à frente de países como Alemanha, França, Japão e Estados Unidos.


Sob a coordenação do Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV), de 2002 até o ano passado, mais de 165 mil embalagens de defensivos tiveram um destino ambientalmente correto.


Campo limpo


O sucesso da iniciativa envolve toda a cadeia produtiva, incluindo os agricultores, canais de distribuição, indústria e o poder público. Para o diretor-presidente do inpEV, João Cesar Rando, o setor agrícola é um exemplo de responsabilidade socioambiental, pois já se encontra alinhado à Política Nacional de Resíduos
Sólidos, que estabelece a responsabilidade compartilhada entre seus elos na destinação dos resíduos e realiza a logística reversa de suas embalagens.


Para a reciclagem das embalagens, em 2008 foi inaugurada a Campo Limpo Reciclagem e Transformação de Plásticos S.A. “É uma iniciativa pioneira, que possibilita a produção de embalagens plásticas rígidas para agrotóxicos a partir da reciclagem desse mesmo produto”, explica Rando.


Constituída por 31 fabricantes de defensivos agrícolas, a empresa fecha o ciclo de gestão das embalagens de agrotóxicos pós-consumo dentro da própria cadeia e promove a auto-sustentabilidade econômica do sistema de destinação de embalagens, que ainda é deficitário.


Como funciona


Atualmente, mais de 90% das embalagens plásticas são devolvidas pelos agricultores e cerca de 92% desse material é reciclado. O processo de reciclagem se inicia no próprio campo. Após utilizar o produto, o agricultor faz a lavagem apropriada e perfura o fundo do recipiente, evitando assim a sua reutilização.


As embalagens são devolvidas à indústria fabricante, que se encarrega do destino final correto, encaminhando o material para reciclagem ou incineração. Além de mais embalagens, o material produzido pela reciclagem gera 17 outros produtos, entre eles, tubos para esgoto, embalagem para óleo lubrificante e barricas de papelão.


De acordo com um estudo realizado há três anos pela Fundação Espaço Eco, a retirada de 108 mil toneladas de embalagens do ambiente representou uma redução de sete vezes no consumo de recursos naturais e evitou a emissão de 164 mil toneladas de CO2. “A destinação adequada das embalagens vazias impacta tanto o campo quanto a cidade, os benefícios são para toda a sociedade”, destaca Rando.


Consciência ambiental


Pesquisas realizadas pelo instituto indicam que 85% dos agricultores conhecem a legislação que regulamenta a destinação ambientalmente correta das embalagens. Preocupado com a conscientização dos produtores, o inpEV criou, em 2005, o dia 18 de agosto como o Dia Nacional do Campo Limpo. Nessa data, num movimento de todo o setor, são fornecidas informações e esclarecimentos para as comunidades do entorno das unidades de recebimento das embalagens de agrotóxicos.


Conheça um dos filmes da campanha para conscientização dos produtores, lançada em parceria pelo inpVE e o Governo Federal.


Fonte: Agrolink

Anterior

Edital SENAI/SESI de Inovação financiará 98 projetos

Próxima

Analitica Latin America

Analitica Latin America