REVISTA FACTO
...
Set-Dez 2022 • ANO XVI • ISSN 2623-1177
2022
70 69 68
2021
67 66 65
2020
64 63 62
2019
61 60 59
2018
58 57 56 55
2017
54 53 52 51
2016
50 49 48 47
2015
46 45 44 43
2014
42 41 40 39
2013
38 37 36 35
2012
34 33 32
2011
31 30 29 28
2010
27 26 25 24 23
2009
22 21 20 19 18 17
2008
16 15 14 13 12 11
2007
10 9 8 7 6 5
2006
4 3 2 1 217 216 215 214
2005
213 212 211
Por que devemos priorizar o registro de medicamentos com IFA nacional?
//Matéria Nortec

Por que devemos priorizar o registro de medicamentos com IFA nacional?

A pandemia de covid-19 mostrou que a globalização tem seus limites. Em momentos de tensão e de escassez, países se fecharam e buscaram atender às suas próprias necessidades e, em segundo momento, aliados mais próximos. Cadeias de suprimento se esgarçaram e demonstraram vulnerabilidades que devem ser corrigidas antes da próxima crise. No caso do Brasil, vimos o impacto de não termos mais uma indústria forte de Insumos Farmacêuticos Ativos (IFAs).

Embora tenhamos o melhor Sistema Único de Saúde (SUS) do planeta, que completou 32 anos em setembro, ainda temos muito a avançar em outras frentes, em especial em relação à fabricação de insumos para medicamentos. Hoje, o País só produz 5% dos IFAs necessários, enquanto o restante (95%) é importado principalmente da China e da Índia, de acordo com a Abiquifi (Associação Brasileira da Indústria de Insumos Farmacêuticos). Para efeitos de comparação, cerca de 30 anos atrás produzíamos em solo nacional aproximadamente 50% desses IFAs.

Felizmente, o País avança para estancar essa dependência externa. Na última semana, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados conseguiu dar um passo significativo para o bem do País e dos brasileiros. O deputado Pedro Lupion (PP-PR), relator na CCJ, acolheu substitutivo ao Projeto de Lei 4209/19, do Senado. A proposta, que ainda depende de análise do Plenário, estabelece que os medicamentos com IFAs produzidos no Brasil tenham prioridade no registro e nas demais análises a cargo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Resumidamente, isso significa que medicamentos na categoria prioritária deverão ter avaliação e deliberação Nortecfinal com prazos mais rápidos que aqueles enquadrados em categoria ordinária. Hoje, de acordo com a lei, o prazo máximo para processos de registro de itens da categoria prioritária é de 120 dias. Já para os itens da categoria ordinária, o prazo máximo é de 365 dias.
Os IFAs são extremamente necessários para garantir o abastecimento não apenas de vacinas, mas, principalmente, de medicamentos dos mais variados tipos. Para a independência da cadeia de suprimentos de qualquer país, é preciso olhar com muita atenção para este tema, principalmente por conta daqueles medicamentos de uso contínuo e essenciais para a população.

É preciso ter ciência, porém, que essa eventual aprovação por si só não resolverá toda a questão de estímulo à indústria farmoquímica nacional, mas vai ao encontro da necessidade do Brasil e, principalmente, da população. Todo incentivo que puder ser dado à produção nacional servirá para fechar a lacuna enorme que temos em relação à Índia e China, países onde essa indústria é fortemente subsidiada e estimulada.

Hoje, o preço dos IFAs importados – favorecido por incentivos e outras medidas assimétricas – ditam as regras deste mercado tão crucial para a população. Ao fortalecermos a produção nacional de IFAs iremos não apenas gerar empregos, ampliar a renda e gerar conhecimento. Acima de tudo, daremos mais autonomia e segurança social para o País, especialmente em momentos de crise como o que acabamos de viver.

Marcelo Mansur, presidente da Nortec Química, maior fabricante de Insumos Farmacêuticos Ativos (IFAs) da América Latina.

Marcelo Mansur
Marcelo Mansur
Presidente da Nortec Química
Novo Governo Lula no cenário internacional
Anterior

Novo Governo Lula no cenário internacional

Próxima

Covid-19: uma vacina brasileira?

Covid-19: uma vacina brasileira?