REVISTA FACTO
...
Jan-Abr 2022 • ANO XVI • ISSN 2623-1177
2022
70 69 68
2021
67 66 65
2020
64 63 62
2019
61 60 59
2018
58 57 56 55
2017
54 53 52 51
2016
50 49 48 47
2015
46 45 44 43
2014
42 41 40 39
2013
38 37 36 35
2012
34 33 32
2011
31 30 29 28
2010
27 26 25 24 23
2009
22 21 20 19 18 17
2008
16 15 14 13 12 11
2007
10 9 8 7 6 5
2006
4 3 2 1 217 216 215 214
2005
213 212 211
Blanver: estratégia de ascensão
//Painel do Associado

Blanver: estratégia de ascensão

A Blanver Farmoquímica e Farmacêutica assumiu os direitos exclusivos de marketing e promoção, no Brasil, de dois medicamentos quimioterápicos da francesa Pierre Fabre. O acordo, válido a partir de março deste ano, amplia a atuação da companhia brasileira, que se destaca no fornecimento de genéricos e insumos farmacêuticos ativos, além de manter parceria com o Ministério da Saúde para o tratamento de aids e hepatite C.

O Navelbine Oral (Vinorelbina) é usado contra câncer de mama avançado e câncer de pulmão de células não pequenas. Outro medicamento é o Javlor (Vinflunina), para carcinoma celular transitório avançado ou metastático da bexiga.

Para a empresa, o acordo abre oportunidades de crescimento: “Ao entrar na área de oncologia, uma das que mais cresce, atingimos um novo patamar e nos posicionamos como uma empresa farmacêutica em ascensão”, avalia Sergio Frangioni, CEO da Blanver.

A estratégia da companhia envolve melhorar o acesso dos pacientes brasileiros a novos tratamentos. Outro avanço nesse sentido foi o início do fornecimento do Dolutegravir (antirretroviral contra o HIV) para o Sistema Único de Saúde (SUS), dentro da Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) com o Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco (Lafepe).

O acordo prevê a transferência de tecnologia da Blanver para o Lafepe no prazo de cinco anos. Na primeira etapa, a farmacêutica entrega o medicamento acabado ao laboratório público, que, em 2026, terá o domínio sobre o processo produtivo. Além da economia anual estimada de R$ 80 milhões para o governo, a PDP traz o benefício de fomentar as estratégias de combate ao vírus, uma vez que promove a verticalização da produção e reduz a vulnerabilidade do SUS no abastecimento do produto.

Anterior

50 anos de dedicação à saúde

Próxima

Bio-Manguinhos e IBMP estão na luta contra a doença de Chagas